Quinta-feira, 25 de Julho de 2013

É p'rácabar!

O cognome "Paulinho das feiras" é sobejamente conhecido, vem de longe e tem, como todos os bons cognomes, justificação plena. Desde que Paulo Portas voltou a um governo da nação que cada dia que passa reforça este epíteto. Passos Coelho só não merece o mesmo cognome porque quando vai a uma feira não é educado e amigo, manda as pessoas ir trabalhar com uma enchadazinha.

 

Este governo está reduzido a um conjunto de feirantes. Entre o que já foi passado a pataco e o que está para ser a lista é infindável. Hoje, o Conselho de Ministros aprovou a venda dos CTT. Essa coisa de enviar cartas e postais também já tem os dias contados, o que está a dar é sms's, e-mails e mensagens de Facebook...tirando as empresas que precisam dos Correios mais ninguém precisa...bem, e os Tribunais e outros serviços públicos...bem, se calhar os idosos que recebem as pensões pelos Correios também precisam deles...ah, e os emigrantes que gostam de enviar encomendas...espera lá, mas há aquelas pessoas que não tem net nem telefone ou telemóvel, umas porque não têm dinheiro, outras porque não querem...e também há aqueles que estão isolados e que por isso não podem mesmo ter net ou telemóvel...bem se calhar esta coisa dos Correios até dá algum jeito...Olhem, comecem a treinar os sinais de fumo, deixa menos pegada ecológica, proporciona exercício físico e até é esteticamente agradável.

 

Claro que a venda dos CTT não implica, imediatamente, o fecho da empresa ou a subida dos preços, mas nós que já andamos aqui a algum tempo percebemos que talvez se vão fechando mais algumas dependências, que talvez se suba um cêntimo aqui e outro ali, que talvez, um dia, a empresa que comprar os CTT a queira vender na totalidade, e aí pode ser que o governo se tenha esquecido de garantir que os CTT não podem ser extintos.

 

 

publicado por swashbuckler às 16:05
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 23 de Julho de 2013

A realidade da realidade

Os factos, como nos foram apresentados e noticiados:

 

- António José Seguro e Paulo Portas estiveram presentes numa reunião do Grupo Bilderberg;

- Vítor Gaspar demitiu-se porque achou que a sua política tinha falhado;

- os mercados assustaram-se, fizeram xixi nas calças e os juros subiram e a bolsa desceu;

- a última assinatura de Vítor Gaspar serviu para  permitir que 90% do dinheiro do Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social sirva para pagar o serviço da dívida soberana;

- o ministro quasi-demissionário Pedro Mota Soares, também assinou;

- Paulo Portas demitiu-se porque não queria Maria Luís Albuquerque como Ministra de Estado e das Finanças, seria um acto dissimulado a sua continuação no governo, disse;

- os mercados tiveram medo, fizeram cocó nas calças e os juros subiram e a bolsa desceu;

- José Gomes Ferreira disse que os mercados é que eram os maiores e tinham sempre razão;

- Passos Coelho não aceitou a demissão de Portas e disse que não se demitia;

- os mercados esboçaram um sorriso e os juros desceram e a bolsa subiu;

- José Gomes Ferreira disse que os mercados é que eram os maiores e tinha razão;

- Portas disse que queria ser vice Primeiro-Ministro e que queria mais meninos e meninas do CDS a governar;

- Passos aceitou e deu um grande abraço ao Portas que estava carrancudo;

- os mercados limparam as lágrimas;

- José Gomes Ferreira disse que os mercados é que eram os maiores e tinham sempre razão;

- o Cavaco propôs que PSD, CDS e PS dessem as mãos num grande acordo para salvar o país;

- os patrões acharam bem, e disseram que assim, se calhar, o governo ia ser um nadinha mais fofo;

- o Cavaco disse que se chegassem a acordo até dava um rebuçado e convocava eleições para Junho de 2014, depois de cumprido o memorando;

- PSD, CDS e PS começaram a conversar;

- os mercados esfregaram a barriga de contentes e os juros desceram e a bolsa subiu;

- José Gomes Ferreira disse que os mercados é que eram os maiores e tinham sempre razão;

- pelo meio o PCP quis conversar com a Esquerda e o BE quis conversar com o PS;

- a Esquerda começou a conversar e o PS disse que gostava mais de conversar com o PSD e o CDS;

- durante este tempo os mercados estavam meio baralhados do sistema e os juros e a bolsa andaram na montanha russa;

- "Os Verdes" apresentaram uma moção de censura no parlamento, o PSD e o CDS estavam muito nervosos e o PS estava parvo;

- a moção foi chumbada e o PSD e o CDS estavam mesmo tão nervosos e o PS tão parvo, que chegaram a tirar a máscara por alguns momentos e explanaram toda a sua dificuldade de vivência democrática;

- o PS disse que afinal não havia a mínima hipótese de chegar a acordo com o PSD e o CDS;

- os mercados ficaram com as pernas a tremelicar e os juros só não subiram e a bolsa não desceu porque estavam de fim de semana;

- José Gomes Ferreira disse que os mercados é que eram os maiores e tinham sempre razão;

- os patrões disseram que o PSD, o CDS e o PS eram tontinhos e irresponsáveis porque não se entendiam;

- o Cavaco disse que então nada feito e que o PSD e o CDS afinal não eram assim tão maus e que podiam continuar a fazer as coisas que fazem lá nos gabinetes;

- o Cavaco disse que aquilo das eleições em Junho de 2014 era só para o PS ficar contente e disse para esquecermos lá isso;

- o Cavaco disse que de qualquer das formas ia estar muito atento se o PSD e o CDS voltassem a deixar comida no prato ou a fazer xixi fora do penico;

- os mercados estavam de fim de semana, mas apanharam uma grande bebedeira para comemorar, no dia seguinte os juros desceram e a bolsa subiu;

- José Gomes Ferreira disse que os mercados é que eram os maiores e tinham sempre razão;

- os patrões disseram que pronto, do mal o menos, ia haver estabilidade;

- o PS estava semi-triste, eles queriam eleições mas não queriam assinar o acordo; 

- no meio destas subidas e descidas todas dos juros e da bolsa, quem ficou muito contente foram os senhores do BES, da EDP, da PT, do Banif, da SONAE, da Jerónimo Martins e aquele senhor Américo, o das cortiças, parece que ganharam uns quantos milhões de euros enquanto a coisa ia e vinha; 

- no Grupo Bilderbeg abriram uma garrafa de champanhe e regaram os mercados com ela.


E agora, quem é que ganhou no meio disto tudo? Tirem as vossas conclusões e tratem de agir em conformidade.

 

P.S. - no fim disto tudo - um bocadinho contente porque os mercados são os maiores e têm sempre razão e tinham ganho outra vez, mas um bocadinho triste porque ainda ninguém tinha despedido 50 mil funcionários públicos - o José Gomes Ferreira ligou ao Camilo Lourenço e disse-lhe que ligasse aos mercados, aos tanques, à bolsa, aos canhões e ao António Borges, ainda não era desta que podíamos esquecer aquela coisa da Democracia. O Camilo disse-lhe que compreendia, mas que estavam confiante que mais cedo ou mais tarde os mercados papavam a Democracia, de vez.

 

 

publicado por swashbuckler às 15:47
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Domingo, 7 de Julho de 2013

Aos participantes da Color Run

Nota prévia: quando se diz "participantes da Color Run", quer dizer-se "aqueles que acham que manifestações não servem para nada"; "aqueles que só protestam no sofá"; "aqueles que não fazem nada porque os políticos são todos iguais e só querem é poleiro"; "aqueles que são a favor das greves mas acham que elas deviam ser substituídas por uma outra forma de luta, milagrosa!"; "aqueles que sabem que o país está mal mas não se metem em politiquices porque não percebem nada"; etc...acho que já perceberam o ponto.

 

Nota prévia (2): ilibam-se do texto que se segue, e portanto não podem ser identificados como "participantes da Color Run", os que estão a favor da manutenção deste governo e destas políticas. Esses são só coerentes, têm direito de ir a todas as "Colors Runs" que existirem.

 

O governo está podre - ia dizer irrevogavelmente podre mas já há tanta piada com esta palavra que não vale a pena. O governo mostrou a sua raça e deu razão a quem disse que, para além de praticar políticas erradas, este era um governo de conveniência em que nenhuma das partes gostava da outra. Têm, e terão, objectivos comuns, sempre: destruir o Estado Social e lucrar com todas as privatizações possíveis e imaginárias, queimar a maior quantidade de direitos garantidos aos trabalhadores e trabalhadoras, destruir ainda mais a produção nacional - ao contrário do que dizem sempre - para que Portugal esteja sempre, e cada vez mais, dependente do dinheiro estrangeiro. 

 

O que devemos então fazer para mostrar ao Cavaco que já passa da hora e este governo tem de ir embora? Vir para a rua.

 

 

 

publicado por swashbuckler às 14:10
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 4 de Julho de 2013

A insustentável leveza das irrevogabilidades

Cancioneiro da loucura

Sons e imagens de uma novela colectiva

 

Vítor Gaspar demite-se - pela terceira vez. Como não quer que os amiguinhos continuem a governar, lança uma carta bomba. Passos Coelho chora num canto, desgosto, traído, corrompido... Passos Coelho não quer ficar sem o brinquedo...

Passos Coelho levou 9 meses a descobrir um substituto de peso para Gaspar. Quando escolheu de vez estava visivelmente drogado, o suor é a prova.
Paulo Portas não se sente confortável com a escolha de Maria Luís Albuquerque e liga irritado a Passos Coelho.
publicado por swashbuckler às 12:07
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 3 de Julho de 2013

Está tudo louco!

 

 

 

Isto hoje vai ser sobre os risos e os sorrisos. Sobre os sorrisos amarelos na tomada de posse da Miss Swap. Sobre os sorrisos cúmplices das pessoas que, na rua, souberam que Portas se tinha demitido. Sobre os risos gargalhados que essas mesmas pessoas deram, em casa, quando ouviram Passos Coelho a dizer que a bola era dele e que os outros meninos não jogavam sem ele. Sobre os risos nervosos e incrédulos que vamos continuar a dar até o governo se esfumar de vez.

 

Não vale a pena analisar o dia de ontem, não há análise racional possível. Só gostava de saber porque é que ainda não legalizamos todo e qualquer consumo de drogas, leves, pesadas, alucinogénicas e mirabolantes. É que de certeza que na Lapa, no Caldas e em Belém, há dealers a enriquecer. Empreendedores.

 

Vale a pena olhar para os risos e sorrisos verdadeiros que queremos ter na cara quando nos livrarmos desta gentinha.

 

 

 

publicado por swashbuckler às 14:15
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 3 seguidores

.pesquisar

.Agosto 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. É p'rácabar!

. A realidade da realidade

. Aos participantes da Colo...

. A insustentável leveza da...

. Está tudo louco!

.arquivos

. Agosto 2016

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Janeiro 2013

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds