Sexta-feira, 28 de Agosto de 2009

Debates

A palavra certa é deliciado. Sim, ando deliciado com a possibilidade de não haver debates televisivos entre os líderes dos partidos com assento na Assembleia da República.

Tenho para mim que vivemos numa sociedade cada vez mais mediática e mediatizada, os próprios políticos assim o reconhecem e tudo fazem para se manter a par. É então intrigante não terem ainda chegado a acordo para debaterem as suas ideias a quem os vai eleger, no meio mais mediático de todos. Porque sim, embora esteja a perder pontos a olhos visto para a Internet, a velhinha televisão continua a ser líder.

Faço aqui uma ressalva em relação a PCP, Bloco de Esquerda e CDS-PP. Por estes três partidos teremos quantos debates quisermos. São claramente José Sócrates e Manuela Ferreira Leite quem perturba e atrasa este processo.

Será medo? Será desinteresse em que os portugueses conheçam as suas propostas? Será que Ferreira Leite se sente incapaz de encarar Sócrates nos olhos? Será que Sócrates se sente impreparado para debater economia com a sua adversária.

Bom, não sei o que será, mas ás tantas, como dizia o outro, será mesmo do Guaraná! É que o Guaraná excita, e talvez andem todos excitados e desregulados mentalmente.

Porque sejamos realistas, sem debates não se escolhem as ideias dos candidatos, apenas se vota naquele que se acha mais capaz por isto ou por aquilo. Não estão, com certeza, o partidos à espera que o povo vá a comícios do "adversário" para ser convencido a virar de casaca. Se eu um dia for ao Estádio do Dragão não vou la para ser convencido a mudar de clube, vou lá para ver o Porto a perder, o mesmo se passaria num comício de um partido que não me diga respeito.

Perante todo este cenário, miserável por sinal, só me apetece utilizar Raid ao redor de certas sedes partidárias, é que isto realmente "é o fim da picada"!

publicado por swashbuckler às 17:52
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 24 de Agosto de 2009

Memória

Vou mudar de casa. Decidi há uns minutos começar a arrumar umas tralhas, já tenho dois caixotes cheios e um saco do lixo para deitar fora.

Descobri algo que já desconfiava há muito tempo, sou daquelas pessoas que prefere guardar as lembranças e as informações na gaveta da memória. Não sei se faço bem ou mal, mas pelo menos percebo que tenho muito menos coisas para transportar do que imaginava. Este lado prático deixa-me contente e mais aliviado das costas, mas será que daqui a uns anos não me vou arrepender? Será que daqui a uns anos vou querer rever Barcelona em fotografia e não vou ter? Rever Milão em fotografia e não vou ter? Rever Buenos Aires em fotografia e não vou ter? E se a passagem por estes sítios se apaga da minha memória? Deixam de existir provas de que lá estive e de passei bons momentos.

No fundo é a memória de algo que marca a nossa passagem por algum sítio ou por alguma pessoa, e se continuar a deitar ao lixo um terço das coisas que estou a arrumar talvez perca um terço da minha vida.

Espero continuar a conservar uma boa memória.

publicado por swashbuckler às 20:17
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

?

 

 

Por vezes nem a Kate Moss ajuda a relaxar, pelo menos a mim nunca ajudou! Mas enfim, quando não sabemos muito bem o que fazer é porque se calhar estamos confortáveis de mais! A ver se um dia destes levanto o rabo do sofá.

publicado por swashbuckler às 13:47
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 17 de Agosto de 2009

Odeio

Odeio a justiça lenta.

Odeio as listas de espera de anos para fazer uma operação no SNS.

Odeio pessoas sem formação ética a chamarem-se "senhor deputado" na Assembleia da República.

Odeio o 8 e o 80.

Odeio o Isaltino Morais e outros autarcas que tais.

Odeio que o PSD e o PS sejam uma coisa na oposição e outra no governo.

Odeio que se fala em reforma da educação desde que me conheço.

Odeio o desprezo que se dá à cultura.

Odeio o suposto amor que temos ao futebol quando no fundo o que se anda a fazer é matá-lo aos poucos.

Odeio a pouca importância e valor que se dão a quem realmente fez alguma coisa de jeito neste e por este país.

Odeio que se ache que a música estrangeira é que é a melhor.

Odeio que o festival da canção já não tenha grandes músicos e compositores.

Odeio que vá toda a gente para o Algarve no verão.

Odeio que se fale mal do país aqui dentro mas que quando se viaja já somos os maiores.

Odeio o Pinto da Costa e toda a corja de "futeboleiros" que suportamos há dezenas de anos.

Odeio quem diz que "um Salazar em cada esquina é que era" e que "o Salazar foi muito bom porque nos livrou da guerra e nos tirou da bancarrota".

Odeio que haja uma enorme percentagem de portugueses que nem um livro lê durante um ano.

Odeio que tenhamos 3 diários desportivos, e pior, que mesmo que o Nélson Évora seja campeão do mundo, a primeira página seja sempre com uma lesão de um gajo que tenta jogar futebol.

Odeio a deterioração das linhas editoriais de quem manda nos media.

Odeio a enorme quantidade de lobbies e corporações num país tão pequeno.

Odeio que a música pimba ainda passe na TV.

Odeio que o Miguel Sousa Tavares e a Margarida Rebelo Pinto tenham uma quantidade enorme de best-sellers.

Odeio que quase não haja cinema português e que quando há ninguém vá ver só por ser português.

Odeio quem vota Bloco de Esquerda.

Odeio que não haja mais produtos portugueses nos supermercados e mercearias.

No fundo odeio isto tudo e mais algumas coisas, mas a única que não odeio mesmo é ser português! Infelizmente parece que cada vez é mais desprestigiante sê-lo. Pergunto-me até se vale a pena lutar pelo rectângulo ou se devo simplesmente fechar os olhos. Ou então emigro para a Austrália, sempre tenho a desculpa das horas de voo para não ter de vir cá aturar esta palhaçada toda!

 

publicado por swashbuckler às 01:09
link do post | comentar | favorito
Domingo, 16 de Agosto de 2009

...

E o Jornal da Tarde do canal do Estado hoje abriu com os resumos dos jogos de ontem da Primeira Liga de futebol.

Mais um sinal evidente que, das duas uma, ou realmente estamos na silly season e a notícia mais importante neste país é a visita de Paulo Portas a outra feira, ou então o jornalismo em Portugal, principalmente as suas linha editoriais, continuam pelas ruas da amargura e completamente viradas do avesso.

publicado por swashbuckler às 13:13
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 10 de Agosto de 2009

Rua Lisboa

Beija-me enquanto estás longe e não voltas. Assim custa-te menos. Ficas livre e tua na mesma. Um beijo atirado de longe para mim já era suficiente. Um beijo. Atirado. De longe. Com força para me acordar. Mas não tanta assim que me possa escapar. Quero aproveitá-lo para sempre. Vou fazer uma caixa em forma de coração e pô-lo lá dentro. Depois sempre que quiser espreito por um ventrículo. Espero no entanto que o colesterol da minha vida não obstrua a visão dos teus lábios a espremerem-se e a ficarem mais vivos.

Não me dês um beijo daqueles muito babados. Não quero. Quero-te limpa como estás sempre. Nem sequer quero muita língua pelo meio. Só serve para distrair. Não se deve abusar no entusiasmo. As coisas boas são para durar muito tempo. Não devemos esgotá-las logo. 

Um beijo atirado de longe para mim já era suficiente. Com a força certa para nos juntar. 

 

Beija-me enquanto estou longe e não voltas. Assim custa-te menos. Fico livre mas teu na mesma.  

publicado por swashbuckler às 23:00
link do post | comentar | favorito
Sábado, 8 de Agosto de 2009

Raúl Solnado

E hoje foi o dia em que morreu um dos maiores actores e humoristas que o rectângulo já viu passar por cá.

Simplesmente a minha homenagem a alguém com talento e que, mais importante ainda, sempre manteve uma conduta profissional extremamente correcta e uma lucidez intelectual notável.

Obrigado.

 

 

publicado por swashbuckler às 21:37
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 7 de Agosto de 2009

...

A palavra delicodoce.

publicado por swashbuckler às 03:47
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 5 de Agosto de 2009

Leite Derramado

 

Aqui está mais uma prova da existência de Deus, desta vez em prosa. Lê-se de uma vez. Fez-me ver o Rio, as pessoas, o vestido laranja da Matilde, e sobretudo fez-me olhar o mar e ver que as nossas memórias e a memória de quem somos, são como a pegada que deixamos na areia molhada. Mais onda menos espuma desaparecem.

 

publicado por swashbuckler às 17:47
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

.Agosto 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Casas novas

. O Rei

. Diz o roto ao nú

. A quem serve o populismo?

. Um beijo de parabéns à UG...

. Portugal não é a Grécia e...

. 21 de Outubro: Orson Well...

. Decimatio

. Coincidências felizes

. Ah...a adolescência!

.arquivos

. Agosto 2016

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Janeiro 2013

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds