Sexta-feira, 2 de Agosto de 2013

"Inception" forever!

 

Quando era crianço não percebia patavina da vida. Ainda assim, e por várias contingências, aos 6 ou 7 anos sabia o nome dos Ministros, dos políticos mais importantes e via o Telejornal diariamente. E como todo o crianço tinha sonhos e desejos, e em altura de campanha e de eleições não era diferente. Gostava das cores, das feiras, dos mercados, dos beijos molhados na tromba dos políticos, dos apertos dados por mãos limpas a mãos calejadas, gostava da festa e do arraial.

Na noite das eleições, observar as projecções, os votos a chegarem, os partidos na montanha russa da percentagem, era melhor do que um jogo do Benfica. Em 1991, com 8 anos, o sonho era ver o PSR eleger Francisco Louçã. Fui um crianço triste nessa noite, esteve quase, mas não chegou. Em 1995, com 12 anos, já estava um bocadinho mais consciente, mas não muito. Nesse ano mantinha-se o sonho Louçã, e adicionava-se outro, ver o CDS, agora PP, chegar aos míticos dois dígitos. Louçã ficou ainda mais longe do Parlamento e o CDS-PP esteve quase, quase a chegar lá, mas no fim da noite o crianço voltava a estar triste.

 

Ontem pensava porque raio isto sucedera. Quando aos 14 ou 15 anos me tornei militante da JCP, com um pensamento ideológico estruturado ao mínimo mas agora totalmente consciente do seu rumo, olhava para trás e não me percebia. Hoje, aos 30 anos, descubro a resposta, mas não descubro a pólvora. É simples e imediato, obviamente que as mensagens que mais ouvimos na comunicação social são as mais facilmente absorvidas se não tivermos espírito crítico, então se se for um crianço...

 

A comunicação social e quem a domina, queriam Louçã no Parlamento e queriam que o CDS chegasse aos dois dígitos, e conseguiram, com paciência e muita estratégia. A comunicação social actual e os analistas políticos não se cansam de usar a expressão "arco da governação". Já não me recordava quem tinha inventado a expressão, mas há uns dias um jornalista explicava, dizia que não tinha sido a imprensa a inventar a expressão, que tinha sido Paulo Portas. Dizia-o como que a desculpar-se e a legitimar o uso da expressão em tudo que é notícia, mas é indesculpável o seu uso. É uma expressão que ao nível de "inception" é das mais poderosas dos últimos tempos. É uma expressão 100% tendenciosa e portanto a comunicação social deveria ser proibida de a usar.

 

Não dou para aquele peditório que diz que o povo é burro e que tem o que merece. O povo é levado a viver num mundo que mistura o "Matrix" e o "Inception", um mundo e um país inventado, em que quem não parar para raciocinar com mais calma é absorvido por uma comunicação social infantilmente subjugada aos interesses económicos e políticos. Em Portugal não são necessários lobbys, a comunicação social é o lobby mais poderoso que existe, basta manietá-la e colocá-la a trabalhar para nós.

 

Voltei ao activismo político militante por volta do 12 de Março de 2011, com 27 anos, fi-lo porque a realidade assim me obrigou. Durante alguns anos também me deixava levar pelo "Big Brother" que me rodeava. A ideologia já estava lá, mas a concretização e a argumentação eram fracas e de senso comum, talvez até populistas. Agora sou daqueles que não acredita em tudo que lhe espetam pelos olhos dentro, mas continuo a ter de fazer um esforço para não ir na onda, continuo a ter de pensar que os Josés Gomes Ferreiras desta vida até podem dizer umas frases bonitas e fortes, mas que se trocassem de lugar com os políticos burgueses, serviriam exactamente os mesmos interesses que os políticos burgueses servem.

 

Pessoalmente fico feliz por ter erguido a minha carapaça. A maior prova disso são os enervantes anúncios com que a Vodafone nos presenteia este Verão. Passado dois ou três dias de irem para o ar já eu sabia que estava no "top of the world, hey", mas só passado três ou quatro semanas percebi e gravei na minha cabeça que aquele massacre sonoro era daquela marca. Durante quase dois anos tive um telemóvel 91 porque achava que me dava jeito, depois comecei a ter menos dinheiro e o jeito deixou se fazer. O que os propagandistas de serviço na Vodafone conseguiram fazer com estes anúncios foi perderem para sempre um cliente, só voltarei a ter um 91 se isso for imprescindível para que a Revolução se faça.

 

Aprende-se mais sobre o presente e temos mais respostas sobre o futuro nos livros de História do que nas notícias dos telejornais. Leiam mais livros, vejam menos TV, vão ver que começam a descobrir um mundo mais colorido e interessante.

 

 

publicado por swashbuckler às 17:29
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 3 seguidores

.pesquisar

.Agosto 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Casas novas

. O Rei

. Diz o roto ao nú

. A quem serve o populismo?

. Um beijo de parabéns à UG...

. Portugal não é a Grécia e...

. 21 de Outubro: Orson Well...

. Decimatio

. Coincidências felizes

. Ah...a adolescência!

.arquivos

. Agosto 2016

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Janeiro 2013

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds