Quarta-feira, 31 de Julho de 2013

UGT atira a toalha ao chão

Diz o ditado que quando não conseguimos vencer o inimigo nos devemos juntar a ele. Há ditados populares para todos os gostos, nem sempre têm razão e muitas vezes são contraditórios, mas a UGT decidiu levar este à letra e afirmar que está de acordo com a precariedade laboral patrocinada pelo governo PSD/CDS - pela mão de Pedro Mota Soares, que parece querer elevar-se de carrasco a exterminador de precários.

 

O governo quer voltar a aumentar o tempo de duração dos contratos a prazo, estendendo "extraordinariamente", até 2016, a possibilidade de os empregadores não darem um vínculo de contrato permanente a quem, por lei, tem direito a ele.

 

Carlos Silva, Secretário-Geral da UGT ofereceu-nos esta pérola de demagogia e de aceitação de inevitabilidades: “E devo dizer, em nome do pragmatismo, que, entre desemprego, que é uma chaga social, e a precariedade laboral, que é outra chaga social, costuma-se dizer que venha o Diabo e escolha, mas há uma pior que a outra: é preferível termos contratos precários do que não termos contrato algum”.  A UGT passou-se para o lado daqueles que aceitam a precariedade como solução no combate ao desemprego. O Carlos Silva, como sindicalista que é, sabe que com o aumento da precariedade tem aumentado o desemprego?

 

 

À saída da reunião desta manhã da Concertação Social, Carlos Silva, muito contente com a sua capacidade de diálogo, anunciou que a UGT tinha proposto uma reduçãozinha nos prazos propostos por Mota Soares, menos meio aninho aqui, menos meio aninho acolá. Assim a precariedade dói um bocadinho menos e a UGT pode reapertar a mão ao governo.

 

Aproveitando a ténue descida, anunciada hoje, dos números do desemprego, 17,6% em Maio para 17,4% em Junho, o líder da UGT acredita que este pode ser um sinal positivo. Espera que no meio da recessão económica esta descida do desemprego seja um incentivo para que este governo renovado e legitimado pelo Presidente da República e pela Assembleia da República, arranque com o ciclo de políticas de crescimento económico. O Carlos Silva, como sindicalista que é, por acaso reparou que o desemprego que mais desceu foi o jovem? O Carlos Silva, como sindicalista que é, tem a noção que desde que o Mundo é Mundo o Verão emprega mais pessoas, e principalmente jovens? O Carlos Silva, como sindicalista que é, já comparou o desemprego de Junho deste ano com o do ano passado? O Carlos Silva, como sindicalista que é, legitima a solução governativa encontrada depois de toda a crise política das últimas semanas? O Carlos Silva, como sindicalista que é, sabe que tem de defender os trabalhadores e trabalhadoras e lutar pelos seus direitos?

 

Depois de João Proença havia quem dissesse que a UGT de Carlos Silva dava sinais de mudança, de ser mais firme e intransigente, mas o que temos é um líder de uma central sindical que desiste de combater a precariedade, utilizando o mesmo argumento que patrões e vários membros do governo já usaram. 

 

Uma central sindical existe para defender intransigentemente os direitos dos seus associados e de todos os trabalhadores e trabalhadoras. Para isso tem duas armas: a contestação social nas ruas e nas empresas e o diálogo e apresentação de propostas. Há muito que a UGT desistiu das ruas, opção legítima, mas quando se assinam acordos, é fundamental que se garantam contrapartidas para os trabalhadores e trabalhadoras. Carlos Silva aceita que o governo aumente a precariedade e ampute mais direitos a quem trabalha.

 

Depois do cartão amarelo dado ao governo na noite de uma grande Greve Geral, da passadeira vermelha estendida a esse mesmo governo, a UGT deixa cair ainda mais a máscara e relembra porque foi criada. A UGT é conivente com o retrocesso social e com a perda acelerada de direitos laborais. A UGT é a principal responsável pela ideia de que em Portugal há um consenso social alargado que legitima a austeridade.

 

Os associados desta central sindical sabem que a luta contra a precariedade é talvez a mais importante que os sindicatos terão de travar nos próximos tempos. De certeza que muitos ficaram amarelos de vergonha ao ouvir as palavras do seu líder. Felizmente que no sindicalismo português há alternativas e quem não aceite inevitabilidades.

 

 

publicado por swashbuckler às 13:53
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

.Agosto 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Casas novas

. O Rei

. Diz o roto ao nú

. A quem serve o populismo?

. Um beijo de parabéns à UG...

. Portugal não é a Grécia e...

. 21 de Outubro: Orson Well...

. Decimatio

. Coincidências felizes

. Ah...a adolescência!

.arquivos

. Agosto 2016

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Janeiro 2013

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds